Fundação Solidariedade

Com o apoio da Volvo, seus funcionários, por iniciativa própria, criaram em 1989 a Fundação Solidariedade. Sediada em Campo Magro - PR, município próximo a Curitiba, a Fundação abriga crianças e adolescentes em situações de risco. Educadores sociais, auxiliados pelo trabalho de pedagogas, assistentes sociais e psicólogos promovem a reintegração dos jovens no convívio social. Em 22 anos, a Fundação já ajudou a resgatar e formar muitos cidadãos.

Infraestrutura
Na área existe um completo sistema de atendimento, com seis amplas residências, onde os acolhidos convivem com pais e mães sociais. A Fundação possui ainda um Centro Pedagógico e Cultural, biblioteca, quadra poliesportiva, salão de festas e outras áreas de lazer. Para proporcionar o desenvolvimento integral das crianças e adolescentes, eles recebem acompanhamento pedagógico, assistem a aulas de música e participam de atividades recreativas e de cidadania. Os mais velhos também contam com orientação profissional.

Gestão
A gestão da Fundação Solidariedade é totalmente profissionalizada: conta com uma gestora, um Conselho de Administração e um Conselho Fiscal, além de professoras, assistentes sociais, psicólogas e funcionários administrativos. A instituição é mantida por meio de doações voluntárias de funcionários da Volvo do Brasil e da Suécia, além de contribuições da própria Volvo do Brasil e de recursos do Fundo da Infância e da Adolescência – FIA.

Cinco frentes de atuação

Formação e Educação

Durante todo o tempo de convivência na Fundação, os menores recebem amplo atendimento de educação e formação, com o propósito de capacitá-los para um futuro independente.

Resgate do Convívio Social

Com amplo apoio psicológico, os assistidos que foram vítimas de maus-tratos ou abusos têm a oportunidade de retomar o convívio social de forma saudável e gratificante.

Adoção

Estima-se que entre 5% e 10% das crianças que vivem em abrigos possuem condições legais de adoção. A Fundação Solidariedade busca viabilizar a adoção dos menores que não possuem impedimento jurídico, para que cresçam em ambiente familiar.

Reintegração Familiar

Sempre que possível – e levando em conta o desejo das crianças e adolescentes – a Fundação tenta promover a reaproximação do menor com seus pais ou familiares.

Profissionalização

Além da educação formal, a Fundação também prepara os adolescentes para a conquista de uma profissão, visando a sua plena inserção social na vida adulta.

República Solidariedade

Ao completar 15 anos os adolescentes são encaminhados à República Solidariedade. Trata-se de uma residência mantida pela Fundação, localizada em bairro próximo ao centro de Curitiba. As Repúblicas facilitam a vida dos jovens que tem de ir à escola, trabalhar e frequentar o Programa Menor Aprendiz. Os adolescentes são acompanhados por uma educadora social. Na transição para a vida adulta, eles aprendem a se adequar a novas regras.Todas as ações são planejadas visando a capacitação desses jovens para que assumam, gradativamente, o controle de suas vidas e possam se tornar cidadãos atuantes.